Mercado imobiliário deve observar preceitos da LGPD para evitar sanções

O compartilhamento de dados dos adquirentes por incorporadoras, construtoras e imobiliárias com empresas não envolvidas diretamente na contratação pode ensejar a violação da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Esse é o entendimento é extraído de dois casos julgados pelo judiciário brasileiro — o processo nº. 0044667-10.2021.8.19.0203, que tramitou no 16º JEC de Jacarepaguá (RJ) e ficou conhecido como caso Cury, e o processo nº 1080233-94.2019.8.26.0100, que tramitou na 13ª Vara Cível da Comarca de São Paulo, conhecido como caso Cyrela.

No caso Cury, o autor ajuizou uma ação de obrigação de fazer cumulada com pedido de indenização contra a empresa Cury Construtora e Incorporadora S/A, alegando o recebimento de mensagens indesejadas via WhatsApp para venda de empreendimento de titularidade da Cury.

O autor requereu a exclusão do seu número de telefone do cadastro da empresa, bem como indenização por danos morais e supostos transtornos sofridos. A ação foi julgada improcedente pela falta de comprovação da vinculação da incorporadora com os remetentes das mensagens. Segundo a prova dos autos, o autor teria fornecido seu telefone em um site de correspondentes imobiliários da Caixa Econômica Federal, além de possuir perfil público na rede social LinkedIn, onde seu telefone era de acesso público.

A incorporadora apresentou seus cadastros para demonstrar que o número telefônico do autor não fazia parte de seu banco de dados. Ademais, a Cury comprovou, por meio de suas Políticas de Privacidade, o atendimento à LGPD. Assim, foi proferida sentença de improcedência, por não ter sido caracterizado nexo de causalidade capaz de ensejar a condenação da incorporadora.

Já no caso Cyrela, foi interposta ação cominatória cumulada com pedido de indenização por danos morais em face da empresa Cyrela Brazil Realty S.A. Empreendimentos e Participações. Nesta ação, o autor havia adquirido um imóvel junto à ré, e após a compra, segundo ele, passou a ser importunado com contatos telefônicos realizados por instituição financeira, consórcio, escritório de arquitetura e empresa de mobiliário, que ofereciam seus serviços por conta da aquisição do apartamento pelo autor.

A estratégia da Cyrela no mercado de aluguéis - Criado por Geraldo Samor

Segundo a decisão, restou comprovado que tais empresas obtiveram acesso aos dados pessoais do autor por compartilhamento da Cyrela. Assim, em primeiro grau, a ré foi condenada a se abster de repassar os dados pessoais do autor a terceiros e a indenizá-lo por danos morais. Apesar da condenação, a decisão foi reformada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo e a aplicação da LGPD foi afastada, pois a compra do imóvel havia ocorrido em 28 de dezembro de 2018, quase dois anos antes da entrada em vigor da LGPD.

Os casos relatados, apesar de não terem resultado em condenações ao final, possuem relevância na compreensão e aplicação da LGPD no setor imobiliário. O entendimento dos tribunais caminho no sentido de que o compartilhamento de dados pessoais de clientes a terceiros, sem a existência de uma base legal autorizativa, acarreta em tratamento de dados pessoais ilícito, podendo ensejar responsabilização.

Destaca-se que nos casos analisados a LGPD prevê hipóteses legais capazes de admitir o compartilhamento de dados a empresas terceiras.

A primeira, prevista pelo inciso IX, do artigo 7º, seria “quando necessário para atender aos interesses legítimos do controlador ou de terceiro”, exceto no caso de prevalecerem direitos e liberdades do titular que exijam a proteção de dados pessoais. Frisa-se, contudo, que a noção de legítimo interesse não possui um conceito legal, senão um rol exemplificativo do artigo 10, da LGPD. São eles: o “apoio e promoção de atividades do controlador” e a “proteção, em relação ao titular, do exercício regular de seus direitos ou prestação de serviços que o beneficiem, respeitadas as legítimas expectativas dele e os direitos e liberdades fundamentais”.

É importante salientar que a hipótese do legítimo interesse não deve ser vista como uma “carta branca” para autorizar o compartilhamento desenfreado de dados. Isso porque a utilização do artigo 7º, IX, demanda que o controlador ou terceiro estude e analise o caso concreto e suas circunstâncias, a fim de justificar a sua utilização, realizando inclusive um teste de ponderação. O teste consiste em verificar se o motivo para o tratamento dos dados tem finalidade legítima e respeita as legítimas expectativas e a prevalência dos direitos fundamentais do titular dos dados. Assim, nos casos narrados, a aplicação da hipótese do legítimo interesse poderia trazer questionamentos.

Por isso, a condição mais adequada para o compartilhamento dos dados dos clientes a terceiros está no inciso I, do artigo 7º, da LGPD, qual seja, “mediante o fornecimento de consentimento pelo titular”. Por consentimento entende-se, segundo o inciso XII, do artigo 5º, da Lei, a “manifestação livre, informada e inequívoca pela qual o titular concorda com o tratamento de seus dados pessoais para uma finalidade determinada”.

Ressalta-se que “o consentimento deverá referir-se a finalidades determinadas, e as autorizações genéricas para o tratamento de dados pessoais serão nulas”, conforme §4º, do artigo 8º. Assim, é necessário não só que os clientes tivessem dado o consentimento, mas que fosse explicada a finalidade do tratamento de dados, como por exemplo o compartilhamento dos dados com parceiros de negócios. Assim, recomenda-se o uso de cláusulas facilmente identificáveis pelos titulares dos dados, consoante disposto no §1º, do artigo 8º, seja nas fichas de cadastro de clientes, nos contratos de promessa de compra e venda, ou em outros instrumentos que sirvam para notificação por escrito aos partícipes da cadeia acerca das políticas de proteção de dados, a qual deve ser implementada pelas empresas do setor imobiliário.

Como visto, a LGPD delimita de forma contundente o fluxo dos dados entre os agentes. Apesar de os casos judiciais não terem realizado uma análise minuciosa quanto a existência de base legal a possibilitar o compartilhamento de dados entre os players do setor imobiliário, diferente poderão ser as circunstâncias se analisadas sob o viés administrativo, perante a Autoridade Nacional de Proteção de Dados, que prevê a aplicação de sanções, que vão desde advertências e multas até a suspensão do exercício da atividade de tratamento de dados pessoais, o que inviabilizaria a operação de uma imobiliária, por exemplo. Deve-se mencionar, ainda, que, segundo o §2º, do artigo 52, as sanções da LGPD não substituem a aplicação de outras sanções aplicáveis pelo Código de Defesa do Consumidor e por lei específica.

Desse modo, sublinha-se que há um longo caminho para a consolidação da jurisprudência no que tange ao compartilhamento de dados de clientes no setor imobiliário. De qualquer sorte, o que se vê a partir da análise dos dois casos é o entendimento de que o compartilhamento dos dados pessoais sem o consentimento do titular ou legítimo interesse — conforme os incisos I e IX, do artigo 7º da LGPD — configura motivo para a responsabilização da empresa controladora dos dados.

Portanto, é necessário que as empresas do ramo imobiliário estejam cada vez mais alinhadas aos preceitos da LGPD, para evitar as sanções da lei, a formação de uma jurisprudência indesejada que coloque mesmo as cumpridoras da LGPD na vala comum, bem como para evitar danos a sua imagem e reputação no mercado.

Fonte: https://www.conjur.com.br/

Compartilhe este conteúdo:
Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn
WhatsApp
Email
Comentários:

Social Media

Mais Artigos

Não perca

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba os melhores conteúdos.

Categorias

Versão 1
Versão 2

Baixe já o informativo!

CONDOMÍNIOS E OS CUIDADOS NO FINAL DE ANO

Conteúdo grátis

Insira um email válido para receber materiais exclusivos

Receba nossas novidades!

Conteúdos exclusivos do setor condominial.

Fornecedores Planos

Você sabia que pode ter a sua marca junto aos nossos Fornecedores? Por apenas R$ 49,90 por mês, você agrega sua marca na nossa página de Fornecedores, sendo um ótimo espaço para você receber cotações e se aproximar dos seus clientes.

Você quer mais? Calma, aqui temos a solução perfeita para a sua empresa. Caso queria agregar a sua marca em nossa HOME. O que não faltam são opções: Banner Destaque, Banner Lateral Topo, Banner Central, Banner lateral e banner central rodapé.
Confira nossos planos:

Plano Básico - logo na página de fornecedores mais pagina de contato

⦁ Banner Destaque

⦁ Banner Lateral Topo

⦁ Banner Central

⦁ Banner lateral

⦁ Banner central rodapé

Faça parte da nossa rede de fornecedores e fique visível!

Regulamento

Regras

1 – Preencher o formulário de inscrição;

2 – Curtir a foto oficial na página da Editora Bonijuris e seguir os perfis da  @editorabonijuris e @universocondominio

3 – O sorteio será feito para todos os inscritos cadastrados nesse site e que cumprirem os requisitos da campanha.

4 – Informações inexatas no preenchimento do formulário de inscrição desclassificam o ganhador do sorteio.

5 – Serão sorteados 3 kits, contendo em cada um deles, 7 livros da Editora Bonijuris.  

6 – Os sorteios e divulgação dos vencedores serão realizados em três dias seguidos (27/01, 28,/01 e 29/01 de 2021) no Instagram da @editorabonijuris. Em cada dia será sorteado 01 (hum) Kit.

7 – O sorteio será realizado utilizando um sorteador online automático.

8 – A organização, representada pela @editorabonijuris, entrará em contato com os ganhadores por mensagem direta no Instagram ou via e-mail, para solicitar o envio dos dados pessoais e documentos comprobatórios de enquadramento nos critérios da campanha.

9 – Ao se submeterem ao sorteio, os participantes declaram ter lido e estarem de acordo com o presente regulamento e de suas condições.

Regulamento

Regras

1 – Preencher o formulário de inscrição na página https://www.universocondominio.com.br/promocao-fit-anywhere/ .
2 – Curtir a foto oficial nas páginas Universo Condomínio, Fit Anywhere e Karpat Advogados (não eliminatório).
3 – O síndico que cadastrar seu condomínio autoriza a criação de uma conta com os dados do condomínio no aplicativo FIT ANYWHERE, pelo prazo de 12 meses, sem custo algum ao condomínio. Após 12 meses, síndico e Fit Anywhere poderão negociar a continuidade da conta no aplicativo.
4 – O Banco será doado ao condomínio representado pelo síndico vencedor, para o uso de todos os condôminos e deverá haver um local coberto, com mais de 4m2 quadrados, em bom estado de conservação e de fácil acesso a todos os condôminos em que o banco deverá ficar.
5 – O condomínio vencedor do sorteio do Banco ganhará 30 dias de FIT CLASS para todos os usuários cadastrados a contar a partir da entrega do Banco Funcional.
6 – O sorteio será feito para todos os síndicos cadastrados no site e que cumprirem os requisitos da campanha. O frete da entrega do banco é grátis para a cidade de São Paulo. Demais cidades/estados, a Fit Anywhere dará até R$ 200,00 de subsídio para o frete que será por conta do ganhador.
7 – Informações inexatas no preenchimento do formulário de inscrição desclassificam o ganhador do sorteio.
8 – Além do Banco Multifuncional, sortearemos 5 planos de 1 mês do FIT PERSONAL, que poderá ser transferido para um cônjuge, filho ou filha, pai ou mãe ou algum condômino.
9 – O resultado do sorteio com os ganhadores será realizado pelo Instagram da @fitanywhere.br, a partir das 18 horas do dia 15 de fevereiro de 2021, e ficará disponível por 24h.
10 – O sorteio será realizado utilizando um sorteador online automático.
11 – A organização, representada pela @fitanywhere.br, entrará em contato com os ganhadores por mensagem direta no Instagram ou via e-mail, para solicitar o envio dos dados pessoais e documentos comprobatórios de enquadramento nos critérios da campanha.
12 – Ao se submeterem ao sorteio, os participantes declaram ter lido e estarem de acordo com o presente regulamento e de suas condições.

Candidate-se!

Mercado imobiliário deve observar preceitos da LGPD para evitar sanções

Envie seu currículo (jpg, jpeg, png, pdf, doc, docs - máx 15mb)

Download cartilha pdf

OS CAMINHOS DO AVCB-CLCB Autor: Wagner Mora